A História sem Fim: o livro mais especial de todos!

Loma Sernaiotto

skincare
follow me

Curiosa. Filha de Iemanjá. Publicitária, tatuadora cosmética. Blogueira há 15+ anos. E muito feliz em ter você aqui.

Receitas
Blogosfera
Wellness
Viagens
leia também:

loma sernaiotto


sernaiotto-historia-sem-fim.jpg

Ou: como o Atreyu me inspira a aprender a língua coreana.

A História Sem Fim era o meu filme favorito na infância – eu tinha todas as falas decoradas e assistia todos os dias. Quando eu cresci, descobri que o filme foi uma adaptação do livro de mesmo nome, um romance de fantasia escrito pelo autor alemão Michael Ende, publicado em 1979 e com título original de Die Unendliche Geschichte. A tradução brasileira foi publicada em 2011 e eu nunca cheguei a ler o livro em português, por mais estranho que pareça. Durante o meu intercâmbio de 2015, encontrei a tradução coreana em um sebo e foi nesse dia que eu fiz uma promessa a mim mesma: eu vou ler A História sem Fim em coreano um dia (끝없는 이야기).

No #detalhes de hoje eu quero compartilhar um detalhe dos meus dias que me faz feliz – e te contar sobre como ele me motiva a estudar coreano!


sernaiotto-historia-sem-fim-2.jpg


sernaiotto-historia-sem-fim-5.jpg

Quando eu me sinto desmotivada – e isso acontece com uma certa frequência quando você está do outro lado do planeta e não entende nadinha do idioma nativo – eu vou até a estante e pego minha edição de 끝없는 이야기. Folheio, sinto o cheiro, vejo as figuras e desenhos. Relembro do filme e de toda a jornada de Bastian para salvar Fantasia. E penso no quanto eu quero ler esse livro – e na sensação incrível que vou sentir quando puder ler A História sem Fim todinha em coreano!

Toda história real é uma história sem fim.

Mas além da motivação embutida em conseguir ler um livro todo em outra língua, esse livro me ensina que toda história, na verdade, é uma história sem fim – afinal, nós fazemos o nosso destino todos os dias com escolhas e aprender uma nova língua, por exemplo, depende exclusivamente de você e das suas decisões.


sernaiotto-historia-sem-fim-4.jpg


sernaiotto-historia-sem-fim-3.jpg

O que eu amo na metalinguagem desse livro é a percepção de que toda história é feita com apenas 26 letras. É uma metáfora sobre nós mesmos: sentimos tanto medo diante das possibilidades do mundo e ficamos na nossa zona de conforto, mas nos esquecemos que até mesmo as histórias mais loucas surgem de um lugar comum.

Se você parar para pensar, terá que admitir que todas as histórias do mundo consistem essencialmente em vinte e seis letras. As letras são sempre as mesmas, apenas o arranjo varia. De letras, formam-se palavras, de palavras formam-se frases, de frases formam-se capítulos e de capítulos, histórias.

Nós somos iguais e sentimos as mesmas dores, passamos pelos mesmos conflitos e compartilhamos de uma mesma essência. O que nos difere são nossas escolhas – e como essas escolhas podem alterar as escolhas de outras pessoas.

Como o arranjo das letras pode modificar uma história feita do mesmo alfabeto, né?

Eu acho que esse mesmo questionamento pode ser aplicado ao estudo de coreano. Por exemplo: eu tenho tanto receio de falar com pessoas, de me aventurar no desconhecido, de não saber lidar com a cultura daqui ou até mesmo de nunca ser boa o suficiente – mas veja bem: são apenas 24 caracteres que combinados formam esse idioma tão lindo e simples, sabe?

Aprendê-lo deveria ser um processo mais leve, certo? Certo!

Você tem algum livro que te motiva a estudar? Algum objeto que te dá sorte ou que te inspira? Eu adorei compartilhar a minha história com esse livro e o quão importante ele é pra minha jornada. Agora eu quero conhecer a sua história! Me conta?

Este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem coletiva criada por desancorando + sernaiotto + serendipity  – confira os posts já publicados aqui.

julho 29, 2018

comente aqui!

  1. Ana disse:

    Eu já vi várias séries coreanas no netflix que só estão legendadas, eu acho que deve ser muito difícil aprender a falar, mas achei tão botininho a forma como as palavras são pronunciadas… quem sabe um dia eu não aprendo 😀

  2. Chell disse:

    Que edição maravilhosa, né?É legal ter algo pra gente olhar e se motivar. Essa ideia das 26 letras é reconfortante… bem filósofa. Eu tenho sonho de aprender coreano e japonês, um dia chego lá =D

  3. Eva Camargo disse:

    Cara, Loma, eu amo o sentido/significados que você consegue encontrar dentro dos assuntos. Sim, são apenas alguns caracteres que você vai conseguir entender, com certeza!Eu já ouvi falar muito bem dessa história e pretendo ler também!Beijoscom amor, Eva.

  4. Loma eu acho tão lindo a escrita coreana. Nem sei se é assim mesmo que fala, haha. Livro em coreano, grossinho e com capa dura realmente é bem motivante. Força aí, garota. Vc consegue. O meu idioma dos sonhos é o francês ♥

  5. VANESSA BRUNT disse:

    Que delicadeza para explicar algo que pode ser tão complexo para tantos! Fiquei encantada pelo tanto de poesia que a obra consegue fazer enquanto serve de guia. Sou fissurada em obras de Ensaio e acho que seriam as mais próximas de aprendizados nesses aspectos, mas percebi que nunca fui muito apegada a um livro que seja mais didático e que lecionasse de tal forma simultaneamente. Amei!www.semquases.com

  6. Monyque Evelyn disse:

    Que interessante, ainda não conhecia!

  7. Yasnaya disse:

    Acho tão lindo os idiomas orientais, parece que ao escrever você desenha. Tenho curiosidade em aprender japonês, russo, árabe, línguas assim bem diferentonas.Acho massa que isso faça parte de você, do lado de dentro, associando a sua vida. Livros, sempre nos guiando para o melhor de nós mesmos. Não me canso de falar que escrever salvou a minha vida, a arte faz isso comigo todos os dias.Desde meus 11 anos e meu primeiro diário, separada da minha mãe por um divórcio difícil, tudo o que eu não conseguia dizer, eu escrevia nele. As dores se tornavam amenas, as lágrimas eram secadas no papel e guardadas como promessa para que meu sofrimento terminasse, mas o mais importante, a esperança de cada confissão moldava meus dias, e um dia, mesmo depois de tanta espera eu consegui realizar meu sonho: voltar pra minha mãe. Desde então, nunca mas parei de escrever. Escrever é minha vida, independente de onde escreva, essas 26 letras escorridas por papéis ou telas, do fundo do meu coração, irão me acompanhar enquanto viver.Essa é a parte da blogosfera que eu mais amo e a que me faz permanecer. Essa conexão de vidas. Oh sorte!xero Lominha ♥Amo isso tudo aqui!

  8. Ana Beatriz disse:

    Que história linda! Eu acho bem importante encontrarmos coisas que nos inspiram a continuar seguindo o nosso objetivo; eu comecei a estudar francês no ano passado e em vários momentos foi bem dificil! E ainda é.; inglês foi bem tranquilo pra mim mas o francês é um desafio enorme. Eu encontro nos filmes e na música uma vontade de continuar aprendendo essa língua tão bonita.

Deixe seu comentário

vem com

a Lominha:

leia o

blog

conheça a

urglow

compartilho meu lifestyle com (cons)ciência na internet mais perto de você ;)

receba meus

emails