Reflexões sobre os (quase) 30