Dicas para experimentar a cultura das Bahamas

Eu amo viajar e aposto que você também, já que chegou nesse post. Na lateral do blog você acha um mapa com todos os locais que já conheci e na tag viagem você acha várias dicas legais dos que eu quero conhecer também. Nesse post, compartilho algumas dicas que recebi sobre um lugar que eu sou louca pra conhecer, as Bahamas. Mas vamos um pouco além das praias de areia branca e água transparente, resorts e ilhas paradisíacas. Muitos não sabem da riqueza cultural desse país insular localizado no Oceano Atlântico, entre Cuba (ao sul) e o Estado americano da Flórida (ao norte).

Imagem: Unsplash/PixabayPara sair um pouco do roteiro de praias e hospedagens de alto padrão, resolvi listar algumas atividades que fogem das atrações comuns das Bahamas ou que, apesar de estarem no itinerário turístico, dão um gostinho das tradições que fazem parte da história da população local— cuja maioria é de origem africana ou de haitianos.

Imagem: CathyT/FlickrPara começar, nada melhor que introduzir o maior evento tradicional das Bahamas, o chamado Junkanoo. Ele lembra uma festa de Carnaval de rua e conta com grandes desfiles, fantasias coloridas e muita música, com bandas, batuque de tambores e até sinos de vaca!

A lenda diz que o festival teve início a partir do príncipe africano chamado John Canoe, que foi trazido como escravo pelos ingleses, mas se tornou um herói local ao exigir alguns direitos para sua população, como a garantia de três dias para celebrar sua tradição e executar seus rituais, o que foi concedido e era realizado durante o Natal.

Imagem: CathyT/FlickrPra quem não consegue visitar o local nessa época, eles realizam prévias do evento e versões menores de forma recorrente, especialmente na capital, Nassau. Outra opção é visitar o Educulture Junkanoo Museum, museu destinado especialmente a essa festa, onde você fica sabendo mais sobre a história, pode ver fantasias originais da celebração e também fazer sua própria máscara, além de dançar a música tradicional e até conhecer uma rainha do Junkanoo!

Imagem: CathyT/FlickrFalando em música, os ritmos tradicionais das Bahamas são o Calypso (não é forró, amigos) e o Rake and Scrape (nome que provém do instrumento utilizado e da forma que é tocado: um serrote e algum objeto para raspá-lo – que gera o som). Ele conta até com um festival que acontece em junho na Ilha do Gato (Cat Island) durante o feriado do dia do trabalho – que vai acontecer agora em junho. A festividade conta com batalhas de bandas locais, apresentações da dança quadrilha (Quadrille, que sim, lembra a nossa de festa junina) e outras atividades interativas.

Falando de comidinhas, a gastronomia das Bahamas é bem apetitosa. Baseada em frutos do mar – obviamente, já que o país consiste em um arquipélago formado por mais de 700 ilhas – dá pra saborear muita comida fresquinha, vinda diretamente do mar e encontrar muitas opções de restaurantes. Mas o prato mais tradicional é, sem dúvidas, o Conch Fritters: pequenos bolinhos de massa com carne de moluscos empanados e fritos. Então fica a dica, se você deseja ter a experiência cultural completa, esta é um uma iguaria obrigatória!

Imagem: WikimediaNa Coreia, eu adoro participar de programas culturais, interagindo com os nativos e falando um pouco sobre como é o Brasil. Pra quem curte essa troca cultural, vai curtir o programa People to People, organizado pelo próprio órgão de turismo das Bahamas, que conecta viajantes que desejam aprender mais sobre a cultura com locais dispostos a compartilhar seu cotidiano, costumes e história.

O interessante é que tudo isso é feito durante uma refeição tradicional, preparada com ingredientes de pequenos produtores locais e regada de uma boa conversa. A experiência ainda pode se estender a passeios, como visitas a pontos essenciais da comunidade (como a igreja, a escola local…), um tour pelos arredores ou até mesmo um passeio de barco pelas ilhas.

Deve ser incrível ter um dia guiado totalmente pelos locais, né? Você pode aprender muito mais do que qualquer guia ou livro poderia ensinar!

Imagem: Vincent Lock/FlickrOutro programa bacana é ir até Potter’s Cay Dock, o cais localizado sob a ponte que liga Nassau à Ilha Paraíso (Paradise Island bridge). Ele abriga um mercado bem rústico, que pode até passar despercebido à sombra do magnífico resort Atlantis ali estabelecido, mas vale uma visita! Diferente daqueles feitos para turistas, como o famoso Straw Market, é frequentado pelos próprios habitantes da ilha e oferece produtos frescos de fazendeiros e pescadores locais, por um preço não superfaturado como nos demais lugares!

Imagem: tpsdave/PixabayVocê ainda pode procurar por tours guiados pelas ilhas que focam na rica história e nos patrimônios culturais das Bahamas, pra aprender muito sobre os dias de pirataria e escravidão dessa terra – esses tours podem ser feitos tanto a pé, como de carro ou barco. Mais informações sobre viagem no guia oficial das Bahamas (tem flamingos na capa, o quão awesome é esse lugar?).

Imagens: Wikimedia, Unsplash/Pixabay, CathyT/Flickr, Vincent Lock/Flickr, tpsdave/Pixabay.

Você gosta desse tipo de post com dicas de viagem? Como esse tem sido um dos meus temas favoritos ultimamente, pensei em trazer mais sobre os locais que quero conhecer por aqui. Me conta o que você acha? :D

Comente

  • Que lugar mais lindo! Entrei no blog e PA aquela fotoooona de uma praia maravilhosa =O
    Adorei a dica, e sim programas culturais são os MELHORES! Sempre tento achar quando viajo =D