Loma leu: Para poder viver (Yeonmi Park)

Eu terminei esse livro agora, devorei em 2 dias e já dou um spoiler: a última vez que me senti tão agoniada lendo um livro foi durante meu mergulho no mundo de Anne Frank. Os dois livros tem uma temática em comum: opressão. E quando você termina de ler Para Poder Viver chora de gratidão pelo seu bem mais precioso – e que esquece de valorizar: a liberdade. Para alguns, ela custa muito caro e é uma jornada longa e torturante. No caso de Yeonmi Park, ela narrou toda essa jornada em um livro.

Yeonmi Park é uma desertora norte-coreana e nesse livro ela conta 3 etapas importantes de sua vida: a infância na Coreia do Norte, sua fuga pela China e sua liberdade na Coreia do Sul. Mas isso não é nenhum spoiler: se não tivesse alcançado a liberdade, nunca teria publicado esse livro.

Já aviso que ele é um pouco difícil de digerir se você, como eu, vive se colocando no lugar dos outros e se questionando o que faria na mesma situação. Acho que eu não teria suportado nem metade do que ela suportou, com menos de 15 anos de idade.

Confesso que me questionei inúmeras vezes sobre a veracidade dos relatos. Na minha cabeça, é impossível que alguém tenha passado por TUDO que essa mulher passou – e ela é 5 anos mais nova do que eu! Lógico que ela teve fortes sequelas psicológicas, mas eu não saberia lidar. Hoje ela é ativista de direitos humanos e porta voz do povo norte coreano – além de auxiliar desertores a se reintegrarem.

Nesse livro você tem uma aula profunda sobre a vida na Coreia do Norte. Se você é do tipo curioso sobre o país, vale cada segundo investido na leitura. Você aprende sobre a lavagem cerebral, a propaganda, como o sistema teve influência soviética, sobre a fome, sobre a hierarquia da sociedade e sobre o mercado negro. Além disso, participa da vida da autora como se estivesse lá: te dá frio, fome, ânsia, medo.

Quando ela narra sua fuga pela China – e então você acha que a coisa vai ficar boa – você descobre que a China não é nada amigável com desertores e que há tráfico humano de mulheres norte coreanas. É uma parte torturante da história e é fascinante como Yeonmi luta pela sua vida, no auge dos seus 13 anos.

E quando ela finalmente consegue alcançar a tão sonhada liberdade, se vê diante de um mundo que não conhece e nunca teve acesso.

Imagina que uma pessoa sai dos anos 50 e pula direto em 2014? Além disso, tem que lidar com dificuldades de idioma, com o preconceito dos jovens, com o sistema educacional competitivo. O que ela esperava ser o paraíso se tornou um lugar onde era obrigada a fazer escolhas o tempo todo.

A liberdade é assustadora.

Eu aprendi muito mais nesses 2 dias de leitura intensa do que em muitos documentários políticos sobre a Coreia do Norte. Eu sabia sobre a opressão, mas não imaginava a profundidade de alienação e medo.

O próximo livro da lista é A Revolução dos Bichos, de George Orwell. Você já leu?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Oi, Lominha! Depois que assisti “A Entrevista” (desculpa a discrepância) fiquei curiosa para conhecer um pouco da realidade da Coreia do Norte e com certeza lerei sua sugestão! Te conto depois o que achei! :) Um beijo! :*

    • Nunca assisti esse filme pois eu achei muito deboche inserir um assunto tão sério, delicado e intenso na piada. Talvez ainda assista algum dia. Me conta o que achou sim, o livro é incrível! :D

  • CARACAAAAAAAAAAA. ANotei aqui como prioridade pra ler depois do Crônicas de Gelo e Fogo. Deve ser de valor histórico grande o livro dela. =O

    Sobre Revolução dos Bichos, li no final do ano passado nas sessões de fisioterapia e cara, é tipo um relado da política do mundo, maravilhoso!! Você vai ficar boquiaberta lendo, sério! Agora que fui ver que não falei dele no blog =O preciso falar!!

    • Comecei a ler um preview do Kindle é tá bem interessante até agora. Mas tudo que tem bicho me deixa com pé atrás porque eu sofro com bichinhos – por mais metafórico que seja hahahaha

  • Caramba, Loma! Passei por esse livro algumas vezes e fiquei com uma pontinha de curiosidade. Mas depois desse teu texto, fiquei emocionada e ainda mais interessada. Outro do tipo que eu li, chorei, mas aprendi muito sobre a história da Líbia foi O harém de Kadafi. Apesar de ser um relato triste, nada me emociona mais do que ver a força de outras mulheres <3

    A Revolução dos Bichos é demais! Como metáfora, nem tenho o que dizer, maravilhosa. É um intensivão de 1984, hehe. Mas eu sempre ficava com pena dos bichinhos, mesmo que seja uma metáfora e blablablá. Enfim, não é a toa que é um clássico :)

    Beijos!

    • Nossa, adorei a indicação! Vou me informar sobre O harém de Kadafi. Putz, eu tô com pé atrás com esse livro pelo mesmo motivo: tem bichinhos! Sei não se vou saber lidar hahahaha mas vamos aguardar…

  • Tinha visto um vídeo da Yeonmi Park certa vez no youtube e ficado chocada e emocionada em como alguém sobrevive a isso tudo e triste de pensar que tem tanta gente passando por isso diariamente na Coreia do Norte. Lembro que quando lançaram aquele filme “The Interview” fiquei bem chateada de alguém pensar em usar o sofrimento real de um povo como recurso cómico, porque é uma coisa séria. Não sabia desse livro, mas vou procurar pra ler!

    • Nunca assisti pelo mesmo motivo: é debochante com um assunto muito delicado. Leia o livro se puder. Ele é incrível e ela narra de um jeito que te traz pra dentro da experiência, é bem intenso.

  • Oi! Já li Revolução dos Bichos e é genial. Já faz muito tempo, preciso reler. Você vai amar! Vou ler este aí de cima. Um beijo, querida! ^^

  • Eu sempre fico tensa com os relatos da Coreia do Norte. Descrevem coisas que não dá para aceitar, ainda mais sabendo que são coisas atuais, acontecendo hoje. Fiquei interessada por esse livro, mas é bem tenso.

    Quanto a sua próxima leitura, sim sim sim! Já li três vezes e acho genial como Orwell conta a Revolução Russa usando como metáfora bichinhos de uma fazenda. Tem uma resenha minha no site Turma do Café, se quiser ler… ah, e quando estiver preparada para uma leitura mais tensa, leia 1984, do mesmo autor.

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    • Fiquei muito curiosa mas sempre tive preguicinha. Como tem tudo a ver com minhas leituras atuais, resolvi dar um chance. Acho que vou gostar, apesar de ser sobre bichinhos – e bichinhos eu sempre fico tensa hahahaha

  • Caramba, eu fiquei interessada mas fiquei com medo. Parece ser tão forte! Essas coisas mexem muito comigo, como você bem mencionou, quando eu li e depois assisti o Anne Frank, eu fiquei semanas pensando nela com muita frequência (e até hj é umas das pessoas que mais mexem comigo dado os fatos).

    Um bj,
    Re

  • Caramba, faz tempo que não fico tão ansiosa para conferir uma obra! Já estou derretida e sofrendo aqui sem nem ter lido, só através das suas reflexões já firmadas. Quero demais poder mergulhar nesse universo “surreal” e de lições firmes. Fiquei já com a impressão de que as lições vão para muitíssimo além do que os quesitos de base e liberdade obtidos. Amei a indicação, Lo!

    http://WWW.SEMQUASES.COM

  • Caaaara, eu vi no Twitter que você tinha lido esse livro, saí pra Paulista e dei de cara com ele na vitrine da Livraria Martins Fontes. Fiquei MUITO curiosa pra ler porque sempre fui bem curiosa mesmo sobre esse regimes extremos, tipo Coréia do Norte e China. Mas talvez eu espere juntar um pouquinho mais de coragem pra ler, porque me deixo levar muito fácil pelos sentimentos alheios e não vai ser amoroso eu passar mal lendo a história dela, quando na verdade tem que ser o contrário, eu tenho que ter gratidão pela história dela, né? Mas valeu a dica
    (e nunca consegui terminar de ler A Revolução dos Bichos ahahah)

  • Oi Loma! Eu confesso que fico meio “nhe” com autobiografias. Não que isso signifique que eu despreze a vivência das pessoas ou suas memórias, ainda mais quando são de situações tensas como a que ela vivenciou, mas sei lá, ler tudo pelo ponto de vista de uma só pessoa assim é meio complicado, porque tendemos sempre a privilegiar “nosso lado da história”. Não, não quero dizer que exista qualquer coisa louvável na Coreia do Norte, credo. É só que realmente tenho problemas com esse tipo de livro-relato hahahahaha mas acho que qualquer tentativa de demonstrar os horrores que acontecem pelo mundo e com as pessoas deve ser feito com mais frequência e lido de forma mais frequente pelas pessoas também. Para que a gente se conscientize e se humanize. São tempos sombrios… Mas, me pergunto, se já tivemos tempos bons na humanidade :/

  • Esse livro é daqueles que, de repente, pra onde eu olho eu vejo. Desde a primeira folheada fiquei curiosa. Apesar de nunca ter lido nada do gênero (nem Anne Frank eu li ainda), me sinto cada vez mais atraída por esse estilo de leitura, e sinto que tenho muito mais a aprender com esses livros do que com os de ficção. Definitivamente, vai pra lista!

  • Confesso que já tentei começar a ler esse livro algumas vezes, mas acabo sempre trocando por outro, porque tenho certeza que vou chorar e me sentir muito mal.
    Revolução dos Bichos é ótimo. Incrível como é um livro tão claro e atual. Da até medo quabdo você consegue fazer as associações com as coisas que estão acontecendo.

    Bacios