Free the mimimi – tá permitido sofrer sim!

É isso mesmo que você leu: está permitido sofrer. Digo isso porque as pessoas tem essa mania de exigir uma felicidade constante  – sorrisos, superação, celebração da vida e seus pequenos detalhes. Deixa eu contar um segredinho pra você: a vida não é um comercial de margarina e, às vezes, tudo o que a gente precisa é de um tempinho.

Tá tudo bem em sofrer pelo término de um relacionamento, pela morte de um parente ou pelo emprego perdido. Também está tudo bem sofrer pelo ônibus lotado, pela dor no corpo e pelo celular que pifou. Tá tudo bem!

Dizer que alguém não pode ficar triste pois existe gente na pior é o mesmo que dizer que alguém não pode ficar feliz porque existe gente na melhor.

Toda dor é única e a comparação é desnecessária: você não precisa entender o sofrimento alheio, mas precisa respeitá-lo.

Então você me pergunta: tá certo sofrer por coisas irrelevantes? Tá sim. O que é irrelevante pra você, pode não ser para mim. Pode sofrer por tudo aquilo que quiser e fizer sentido na sua cabeça, contanto que siga em frente quando achar que está pronto. Tem vezes em que ficamos prontos mais rápido. Tem vezes em que a dor demora pra ir embora. Tem vezes em que, bem, nunca ficamos prontos.

Mas uma coisa é certa: tá TUDO bem – e se não tiver, vai ficar. Sempre fica.

Pode me chamar de pessimista, mas eu acredito que a vida não passa de uma longa e intensa batalha que um dia acaba – sem vencedores ou perdedores. Feita de pequenos desafios diários que exigem determinação e foco de cada um de nós. Mas não é uma batalha entre eu e você: somos nós contra as dificuldades da vida, essa manolinha.

E se você parar pra olhar ao seu redor vai ver que cada um está passando por uma batalha diariamente – e bem diferente da sua. Nem maior, nem menor: uma luta única sobre a qual você não tem conhecimento – e nem permissão para julgar.

Isso não quer dizer que tá legal gritar para os quatro cantos do mundo sobre o quão doloroso é passar pelo que se está passando. Tá permitido sofrer, mas não é muito bacana fazer drama. Se você precisa de ajuda (e a gente sempre precisa, só não sabe pedir): peça! Mas peça para quem respeita a sua dor e está disposto a te acompanhar nas suas batalhas por mais difíceis que elas sejam.

Todo mundo confunde necessidade de atenção com sofrimento. Acredite: o silêncio é o sintoma de uma mente barulhenta e não há divã que a faça calar.

Sabe, a gente não consegue ajudar todo mundo que sofre no mundo. Falar “anime-se, a vida é linda e isso passa logo” faz com que a gente se sinta um babaca. Poxa, porque eu tenho tanta dificuldade em lidar com determinado problema? Porque é tudo tão mais fácil para os outros? No fim das contas, essa pseudo injeção de motivação acaba virando uma bela de uma eutanásia.

Sério. Pare!

Minha mãe sempre me ensinou que podemos levar um cavalo até a água mas não podemos fazê-lo beber. Apenas lembre-se que o simples fato de respeitar uma dor é o suficiente para que ela possa se curar, em seu tempo. Às vezes, isso é tudo o que podemos fazer.

Em tempo: a vida é linda sim e muito recompensadora. E não estamos sozinhos, por mais que pareça que estamos. Depois de cada tempestade vem a calmaria e, convenhamos, o porto é mega seguro mas os navios não foram feitos para ficar lá. ;)

Portanto: lute com todas as forças e sofra quando for preciso. E acima de tudo:

respeite o #mimimi alheio!

Um beijo e 감사합니다 {obrigada}!
Curta no Facebook | Siga no Bloglovin | Assine a Newsletter

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Com certeza. Mas não costumo a compartilhar meus #mimimis porque as pessoas tem outro defeito: perguntar demais. E não perguntam por querer melhora, mas sim pra te dar lição de moral.
    Isso me lembra outro defeito meu, não sei consolar. Mas para evitar piorar tudo fico sempre caladinha.

    • Mas é justamente por essa “lição de moral” que eu resolvi postar. Na maioria esmagadora das vezes, a melhor ajuda é o silêncio. O consolo pode ser mais doloroso do que a dor em si! :)
      Eu sou do tipo que sofre calada também, que engole sapo. Quando eu explodo, a coisa já está super séria. De uns tempos pra cá venho praticando o “let it go” e aprendi a pedir ajuda quando necessário.
      Boa sorte para nós!
      Beijos ;*

  • Juro que to chorando com esse post. Porque aconteceram coisas que eu não compartilho, porque eu iria compartilhar desgraça!? mas depois de tanto tempo calada eu enfim GRITEI, que tava cansada de algumas atitudes, tava cansada da falsidade alheia e me perguntando se alguém realmente me daria a mão quando eu precisava de ajuda…. o que eu recebi!? uma baita de uma surpresa no twitter. OK… ninguém precisa ir lá passar a mão na minha cabeça, até porque eu nunca precisei desse tipo de coisa mas aquilo DUEU e MUITO…ainda mais vindo de alguém que eu já ajudei e dei o braço inteiro. Senti NOJO.

    Se não gosto de algo, simplesmente ignoro, RESPEITO….ainda mais quando não pediram minha opinião…. mas eu fiquei chocada com a situação. Como vc disse, todo mundo pode ser livre pra falar o que quer, mas desrespeitar alguém , ainda mais que já ta no chão é DEMAIS!!!

    mas agora a noite depois de aturar tantos meses, tanta coisa, tanto ‘barulho’ guardado na cabeça e gritado, eu me sinto melhor agora…. acho que todo mundo preciso disso as vezes, né?… eu acho. :)

    • Olha, quem sofre muito calado precisa explodir de alguma forma. Eu entendo completamente esses lapsos, até porque você é testemunha de que de vez em quando euzinha extravaso no Twitter (o maior divã do mundo online).
      Explodir é normal, dramatizar 24 horas por dia não é. Mas mesmo assim: deixa pra lá, sabe? A pessoa se sente bem publicando a sua dor e às vezes é o único escape que tem.
      Não entendo over drama mas respeito. É o mínimo que eu posso fazer, né?
      E se quiser abrir o coração, senta que a Lominha te escuta, tá?
      Não sei o que foi que aconteceu, mas sei de duas coisas: primeiro, você é fabulosa – sofrendo ou não – e segundo, você não está sozinha!
      Um beijo <3

  • Às vezes eu me acho a rainha do mimimi (online), mas normalmente só desabafo na internet por frustrações mais bobas. No dia a dia me chamam de quieta, cara fechada, antissocial… e por aí vai. Na real eu sou uma pessoa BEM na minha mesmo, por mais que em certos momentos não pareça. A internet, apesar de traiçoeira também é terapêutica e meio que “nos tenta” a nos soltarmos mais, não é mesmo?
    Pessoalmente eu sou mais quietinha, fico refletindo sozinha nos meus problemas, faço o meu trabalho sem incomodar ninguém… mas SEMPRE vem um pra dizer “ô pri, muda essa cara, dá um sorriso!”. Agora eu sou obrigada a ficar estampando um sorriso pra todo mundo, é isso mesmo? Esse é o meu jeito normal, gente. Não mexe com quem ta quieto u___u
    Eu desabafo de verdade apenas com quem confio de verdade, mas ainda assim, na maior parte do tempo eu fico viajando em outra galáxia num mundinho só meu, tentando resolver meus pepinos. É o meu jeito ¯\_(ツ)_/¯ .
    Tenho que mudar um pouco o meu lado fechada, admito. Mas no geral a minha personalidade é assim, e muitas pessoas não respeitam. Tem gente que pensa que você precisa “fazer sala” e ficar com um sorriso estampado no rosto 24h por dia. Plmdds, não. Cada um no seu quadrado, hehe.

    Post maravilhoso, obrigada por postá-lo! Amei tanto que me excedi no comentário, só pra variar.

    Kissu ♥

    • Comentário maravilhoso! Adorei, obrigada!
      Sabe, cada um tem um jeito e vou ser bem sincera: você é quieta e vive no seu mundo mas eu conheço muita gente que é o cúmulo da simpatia e extravagância mas que por dentro é um poço de insegurança e medos. Euzinha! HUEHUE
      A internet foi o que me curou de uma depressão por isso mesmo, me ajuda a escapar, a fazer amigos que me aceitam pelo o que eu sou – com ou sem cara feia! HAHAHA
      Eu não acredito que vc deva mudar o seu carão, até porque ele é FABULOSO. Se o silêncio é o que cura seus anseios, continue assim! <3
      Cada um conhece sua dor e a melhor forma de lidar com ela.
      Mas sabe que, se algum dia precisar dar uns gritos, Lominha estará aqui FOREVER!
      Um abraço bem apertado! <3

  • Sabe, Lominha, lendo esse post lembro de tanta coisa… principalmente pelo fato de, em certa época dureza da vida (que acredito que vc saiba a qual me refiro), o que eu mais ouvia é “não fica triste não, isso vai passar”. E eu ouvia, mas, ficava triste, ué. Tava no meu direito. Guardei tudo num cantinho meu, e deixei acreditarem que estava de fato, tudo bem mesmo. E foi bem melhor assim.

    Não me enganei: eu sofri, sim, mas tinha consciência de que o sofrimento fazia parte do processo, e nada faria mudar aquilo. É assim e ponto. E seguindo, né? Pq sabe lá o que mais nos aguarda e não dá temo de corpo mole, não.

    Adorei o post.
    Bjo em vc!

    • Olha Re, não me lembro se fui uma dessas pessoas que te pediu para animar, mas se eu fui, já deixo aqui o meu pedido de desculpas. Eu sempre fui fã da motivação, da inspiração como fuga, do deixar pra lá e move on. Mas com o tempo eu notei que, para muitas coisas, eu não segui em frente e mascarar só deixou o problema crescendo dentro de mim.
      A gente amadurece, né? Hoje aprendi que devo respeitar o meu momento de descobertas pessoais e depressão, mas que esse momento logo passa e eu enxergo as coisas com maior clareza depois. Parece que valorizo mais, sabe?
      Força pra gente. A vida não é fácil, mas é linda! <3
      Beijos!

    • Nunca pensei dessa forma, a gente vai crescendo e aprendendo a lidar com muitas coisas. Hoje é assim que eu penso e a vida acabou ficando mais leve. ;)

  • Eu sou muito “intensa”. Minha mãe que vive dizendo isso.
    Se eu sofro, sofro demais. Se estou alegra, chega a ser contagiante.

    Muitas pessoas não entendem a minha forma de encarar a vida, suas alegrias e problemas e vivem me chamando de “dramática” ou até mesmo de infantil. Eu fico me sentindo a pior pessoa do mundo. Poxa, será que ninguém sofre nessa vida?
    Mas depois desse texto lindo eu percebi que estou “autorizada” a sofrer e ser feliz na intensidade que eu quiser. Não por que você me autorizou, mas por que eu mesma estou me autorizando desse momento em diante. A vida continua, mesmo que aos seus trancos e barrancos, e uma hora tudo vai passar. Seja minha tristeza ou alegria.

    Loma, você (e seus textos) é uma linda. <3

    • Olha, uma delícia saber que meu texto levou alguém a reflexão e auto descoberta. Acho bom mesmo você se autorizar de agora em diante: o mundo já cobra tanto da gente, porque devemos nos cobrar também?
      Tristeza existe para ser sentida e superada – mais cedo ou mais tarde. Então, permita-se viver cada momento e tirar um aprendizado disso.
      Obrigada pelo comentário fofo! Beijos ;*

  • Olá! ^^
    Também acho que drama é uma coisa totalmente desnecessária, afinal as pessoas vão achar que você só está querendo aparecer e não vão te ajudar de verdade. E do jeito que hoje todo mundo se autointitula depressivo, bipolar e etc na internet (muitas vezes, sem realmente ser), tem gente que não acredita quando alguém chega e fala “eu não estou bem”.
    Mas é certo que a gente tem que respeitar o sofrimento alheio, afinal quando nós estamos tristes a gente não quer ninguém dizendo: “Ah, deixa isso pra lá”. Todo mundo passa por pelo menos um momento difícil, esse negócio de ser feliz o tempo todo não existe. O segredo é ter fé e força, que depois da tempestade sempre vem a calmaria.
    Ótimo post, Loma! Todo mundo deveria ler. ^^
    Beijos!

    • Fé e força: os maiores segredos para superar todas as dificuldades e passar pelos momentos difíceis com sabedoria. Adorei o seu comentário!
      Beijos <3

  • Lominha, eu confesso: na hora em que entro em ebulição, vai eu destilando tudo o que estava entalado. Muitas vezes eu fico calada, no canto, mas quando o bicho pega…

    Esses dias no FB, acabei dizendo algumas verdades + o que sinto num comentário. So que depois que me toquei que, as pessoas que comentaram de um assunto, possuem idade para serem minhas filhas. Aqueles assuntos de adolescente, que a beleza estética é tudo na hora de vender um certo produto (e esquecem do conteúdo que pode ser maravilhoso ou não). Resultado: fiquei com fama de chata e barraqueira.

    Estou tentando evitar desabafar no Twitter e até mesmo postar no meu blog aka Emporio, porque depois vai ter gente que até teria boa intenção pra me consolar, mas acaba piorando ou gente que vai pra avacalhar mais sua vida. Ultimamente, no meu caso, está sendo a segunda opção.

    Mas uma das coisas que me deixa mais feliz é existirem pessoas (como você) que me aceitam como eu sou, na minha condição que estou aqui no Japão. Porque elas me aceitam como pessoa, não pelo meu status atual.

    E essas pessoas, a minha casa está sempre aberta (mas não repara a bagunça, tá ;) )

    Beijao, Lominha! Texto lindo como sempre!

    • Kiyo, você é uma pessoa maravilhosa e eu adoro a sua companhia no twitter: extravasando as emoções ou não. Mas olha, eu também sempre me seguro pra não opinar, ai raramente solto um conselho ou outro e acabo sendo vista como cri cri. Acontece demais, portanto prometi a mim mesma que vou parar com isso.
      Já o desabafo no twitter vai continuar: twitter é feito pra isso mesmo! HAHAHA
      Assim como sua casa está aberta, saiba que a minha também sempre estará! E em algum momento dessa minha vidinha louca, vou ai te dar um abraço apertado, viu?
      Beijos ;**

  • Também acho que todo mundo tem direito a sofrer, parece que temos que ser sempre perfeitos e sorridentes. Todo mundo tem seus dias ruins, não é verdade? E adorei teu post falando sobre isso Lominha, parabéns!

    Bjoks

    • E ter dias ruins é necessário, por mais doloroso que seja. Nos ajuda a evoluir e amadurecer. Fico feliz que gostou do post, obrigada pelo comentário <33

    • A fé é o que me motivou a passar por uns momentos bem difíceis há anos atrás. Foi ai que eu aprendi que toda dor é necessária e que, por mais perrengues que a vida nos apresente, a gente precisa ter forças para continuar. Sabe, a dor passa, mais cedo ou mais tarde. E mesmo que não passe, temos que aprender a conviver com ela. ;)
      Beijos!

  • menina, primeiro: eu já tô na página 18 do seu blog. tô apaixonada! os posts sobre blog – monetização, organização, etc – são absolutamente incríveis, nunca vi coisa igual. parabéns! e os mais gerais também são muito legais, como esse, fora todo o resto: o design, as fotos, tudo tudo. taí: um comentário completamente baba ovo. hahaha! prometo que volto com algo melhor pra dizer nos próximos, mas, por enquanto, eu queria mesmo é te dizer que amei isso daqui ;)

    • eita beleza, eu nem sei o que tem na minha página 18! HAHA
      vou ser bem sincera: seu comentário baba ovo fez o meu dia, viu? então, pode continuar que não vou me opor! <33333
      fico feliz que goste do conteúdo do blog, obrigada por acompanhar!
      prometo que darei o meu melhor para oferecer posts de qualidade sempre <3
      beijos ;*

  • hoje mesmo estava pensando nisso e como principalmenteo facebook é uma ferramenta que nos deprime..vejo tanta gente postando suas fotos pela balada, bebendo “sendo feliz” e parece que a vida é facil assim, todo mundo tem grana e só voc q se fode pra pagar as contas no fim do mÊs.. fora que aqui no Rio pelo menos parece pecado mortal reclamar..se voc diz q o dia foi dificil já vem uns comentarios “fica assim nao, olha a paisagem que linda.. vai sair um pouco” e se vc nao gosta de sair muito (meu caso) é “amargurada, nao sabe apreciar a vida e a praia..”

    acho que é como você diz: falta respeito com a forma que cada um leva sua vida.. eu levo minha vida em silencio pq minha mente, assim como ta no seu texto, grita, fala alto e nao pára, não preciso ir todo fim de semana pra balada pra me sentir melhor ou ficar batendo palma pro por do Sol pra perceber q a vida é valiosa ou que a Natureza é majestosa..

    desculpa o desabafo, mas ver gente na blogosfera, que entende que sofrimento faz parte da vida, reclamar e lamentar tb faz parte, é uma maneira ótima de encerrar o sabado a noite..

    • Me relacionei com seu comentário, viu? Primeiro, porque facebook é sim uma ferramenta de desmotivação e há estudos que comprovem e, segundo, porque as pessoas jogam na natureza, nas festas e na vida outdoor a fuga para uma dor ou infelicidade.
      Acontece que comigo não funciona, assim como com você: ficar em casa, vendo um filme ou no twitter comendo pipoca me faz muito mais feliz do que uma praia (e olha que moro na praia).
      Cada um vive do jeito que lhe dá mais prazer e se não existisse tanto julgamento e (desculpe o termo) cagação de regra, talvez fôssemos genuinamente felizes conosco.
      Obrigada pelo comentário! Um beijo ;*

  • Eu sempre me achei a pessoa mais MIMIMI do mundo. eu tenho consciência que eu sou chata. hahaha Mas super concordo com seu post, é preciso respeitar, mesmo que a gente não compreenda em certos casos.

    Mas de certo lado, eu gosto mais das pessoas positivas. Acho que por eu ser uma pessoa que gosta de “sentir o sofrimento”, as pessoas felizes me mostram uma outra opção. Me dão motivação. mas claro, que isso também é perigoso, porque pode mascarar o real problema. Principalmente se essa motivação vem em forma de julgamento sobre a dor do outro, ou como uma imposição de padrão de vida. E acho que é sobre isso o post né? Tá permitido sofrer, chorar, estar triste. Afinal é parte da vida.

    Enfim, curti o post lominha. Você sempre escrevendo os melhores posts!

    • Tem muita coisa que eu não entendo, principalmente drama, mas me esforço bastante para respeitar. Quer dizer, cada um tem seus motivos, certo? Quem sou eu para julgar?
      Não te considero mimizenta, na verdade, te considero crítica (inclusive auto crítica): você analisa a sociedade e a si mesma e sempre publica suas conclusões. Admito que não tenho coragem de ser assim, sabe? Talvez seja por isso que guardo tanta coisa comigo, mas ainda acredito que silenciar e respeitar me traz mais paz do que objetivar e indagar. Isso explica a sua luta por um mundo melhor enquanto eu assisto drama coreano comendo pipoca. Que feio, né? :(
      Eu adoro positivismo, principalmente quando estou numa bad vibe. Meu remédio é o Pinterest: me cerco de inspirações que acabam me animando. Mas é um processo meu, sabe? Adoro estar rodeada de gente positiva, me anima. Mas não suporto que tentem enfiar um ânimo que não existe na minha goela. HAHAHA
      Não sei se fui clara! Obrigada pelo comentário e saiba que eu admiro demais sua personalidade e sua opiniões. <3333

  • Adorei o texto! Porém, além de eu ser do tipo que sofre calada, chego a ser egoísta comigo mesma, não me permito sofrer, porque as pessoas ao meu redor estão enfrentando “batalhas” maiores que as minhas, é meio involuntário, sabe? Não sei até que ponto isso é bom, pois algumas vezes a dor alheia me impulsiona a não perder tanto tempo na deprê rs. Outras vezes, fico tentando reprimir tanto o sentimento que acabo sofrendo mais, é um eterno dilema.
    Quanto ao sofrimento dos outros compartilho do mesmo pensamento que você, não existe sofrimento grande ou sofrimento pequeno, existe sofrimento e ponto, não dá pra entender, só aceitar.

    “Mas uma coisa é certa: tá TUDO bem – e se não tiver, vai ficar. Sempre fica.” <3

    Beijos

    • Eu também penso assim: tem gente na pior, o que eu passo é bobagem. Mas de vez em quando a bobagem machuca e reprimir só piora. No meu caso, virou depressão – daquelas que eu mesma julgava e pensava “mas porque me sinto tão mal se tem gente muito pior ai abraçando o muito?”. A bola de neve ficou enorme e a pressão em cima de mim mesma só piorou. No fim, passou: superei.
      Mas eu aprendi a respeitar os meus momentos de desânimo da forma merecida: eles existem, mas eles passam. Sempre passam! :)
      Beijos ;*

  • Conheci seu blog há pouco tempo e hoje mesmo estava pensando nos posts que você tem feito sobre blogagem, aí passeando pelo Facebook me deparo com esse post aqui :)

    Que conteúdo legal! Que texto bacana!

    Sou do tipo que sempre tenta ressaltar o que cada coisa tem de bom, inclusive um período de sofrimento. A vida num é novela, tampouco comercial de margarina, mas acho que em cada coisinha, boa ou ruim, temos algo para aprender.

    Beijos!

    • Que bom que veio parar por aqui! Concordo totalmente contigo, o importante é que a gente aprenda, no amor ou na dor. ;)
      Um beijo e obrigada pelo comentário!

  • Ai ai Loma, seus posts são minha dose de lucidez diária, sabe? Disse tudo, como sempre!

    Ah, e só pra constar: quase nunca comento porque, apesar de não parecer, sou a pessoa mais tímida da face da terra, mas adoro seu blog, adoro seus posts e te acho uma linda!
    Beijos <3

  • Sabe, acho que isso é um dos efeitos colaterais da “weblife”. Nas redes a gente geralmente compartilha momentos bons, vitorias e conquistas, que queremos guardar na memoria, o que é normal. O problema é que passa aquela imagem de comercial de margarina como vc escreveu e ninguém ta mais acostumado a ver sofrimento. E então vem o drama, porque temos a impressão de que ninguém nunca sofreu tanto como estamos sofrendo num momento x da vida (ja que a vida -virtual- dos outros é tão alegre)
    Bom, é obvio que eu também sofri e sofro por diversas coisas, mas ao contrario do que vc aconselha aqui prefiro não deixar transparecer. Não gosto que me perguntem o que ta acontecendo então, como vc falou num comentario la em cima, por fora sou um poço de simpatia e sorrisos (sinceros ainda por cima, não forço a barra) e por dentro sou o oposto. Sei perfeitamente a que esse tipo de comportamento pode levar, mas por enquanto não consigo ser de outra forma. Nem nas redes sociais, alias nem Twitter eu tenho ><
    Além disso, como a Yoko la em cima, não levo muito jeito para consolar as pessoas. Acho que sou muito racional para isso. Em compensação, sou aquele tipo de pessoa que vc procura quando ja sofreu "o bastante" e precisa de um pé naquele lugar para encontrar soluções e ir adiante. Ja é de bom tamanho não ? xD
    O que era para ser comentario ja virou autobiografia mas mesmo assim não posso deixar de agradecer o post no que remete ao respeito do sofrimento alheio, não que eu não respeite, mas acho que de tanto ficar na minha posso parecer bem insensivel, vou tentar prestar mais atenção nas pessoas !

    Des bisous ^_^

    • Amei o seu comentário e concordo com tudinho que você falou! E justamente por causa desse sofrimento que muita gente não curte externar é que não devemos nunca forçar a barra e apenas respeitar esse momento – tano na gente quanto nos outros, né?
      Então, nem precisa se preocupar em ser “insensível” – o que não acredito que você seja. Tem vezes que tudo o que precisamos é de alguém como você ao lado: que respeita a dor, permite o silêncio mas está sempre preparada para uma bronca ou dura necessária! HEHE
      Um beijo! ;***

  • Deixa eu assinar embaixo desse post, pelamor. Ninguém pode reclamar, ninguém pode ser muito feliz, ninguém pode respirar sem incomodar as outras pessoas. Eita povo chato do caralho!
    Acho que cada um sabe onde o calo aperta e, mesmo que seja muito difícil não julgar, acho que a gente não tem direito, né? Até porque a gente detesta ser julgado.

    Não conhecia seu blog e adorei isso aqui! Certamente voltarei mais vezes!

    Bjs!